11/12/2013

Sobre o tempo.

Todo mundo tem seu tempo, o tempo de se encontrar, de se libertar, de se permitir, de se entregar, de se solidificar, de amar, de sofrer, de recomeçar, de encontrar sua verdadeira razão de viver. E não há nada que faça esse tempo ser alterado, há o que chamam de paciência, algo que suplanta o tempo e acalma aqueles que não tem o tempo necessário para esperar.

~ Brunna Paese ~

Não é de hoje que escrevo sobre o tempo, ora com referências positivas outrora com um certo pesar. O tempo, de qualquer modo, é o que separa você de tudo aquilo que gostaria de ser.
Parece discurso de Poliana, mas se parar para pensar, quantas coisas foram ditas durante sua vida e quantas delas foram concretizadas? Isso não é uma questão de atração ou determinismo, é muito mais uma questão de foco e perseverança. 
Para alguns o tão esperado momento do "sucesso" do que se espera, chega cedo, para outros, muito tarde, se puder observe, raramente é tarde demais.
Costumo dizer que cada um tem o que merece e o que procura. Entretanto, não é só uma questão de merecimento ou oportunidades, muito menos apenas uma questão de sorte ou acaso.
Tornar-se a pessoa dos sonhos depende de esforços, de buscas, de tropeços, de reconhecimento, da ajuda dos acontecimentos - e isso não é demérito algum -, dos favos, do mel e do tempo.
Às vezes a ampulheta parece estagnar, principalmente quando o mundo ao seu redor parece decolar, sem contar que esse mesmo mundo parece ter uma ajuda mágica em muitos momentos, ajuda essa tão desconhecida em eras difíceis.
Não se vitimizar é o primeiro passo, ter paciência é o segundo, contar com a sorte nem deve ser considerada uma opção e sim um adendo, ter sabedoria para entender a maturidade do processo é o segredo e por isso quase ninguém sabe como faz, nem eu que tanto declaro afinidade com esse tal de tempo.
Espero minha hora, com afinco e dedicação, pois o meu momento vai chegar, cedo ou tarde, ele há de chegar.



Facebook