21/01/2013

Uma vida baseada em buscar o impossível

O impossível é uma descrição de algo que não acredito. Não acredito que possa haver algo impossível, nem mesmo Deus, ou a viagem no tempo, ou a emersão de um ser que não tinha chance alguma de dar certo.
Não saber como fazer algo não cria uma relação de impossibilidade, apenas o mantém na definição de desconhecido.
Essa aproximação com o impossível sempre foi uma forma de encarar os desafios. Fazer algo que ninguém pensou ser possível me excita, remete a teimosia às vezes, mas não me faz desistir tão fácil das coisas.

Na mesma batida seguem meus sonhos, dizer aos quatro cantos o que se quer não necessariamente fará que o universo conspire a seu favor, mas se as chances não forem criadas, se somente você souber do que deseja, ninguém poderá lhe ajudar. Simples assim.

O que mais me espanta é que muitos dos meus desejos passaram como um sopro em alguns momentos, só uma vontade qualquer de fazer ou ser algo na vida. Mas muitos desses sopros já puderam ser realizados.

Um dia me perguntaram, enquanto falávamos do sentido da vida, se a partir do momento que tiver realizado todos os meus sonhos, poderei me considerar feliz e completa. Antes sim, pensava que precisaria ter todos os meus sonhos completados para poder dizer: - venci na vida!

Mas depois de um tempo, precisamente depois da grande viagem que fiz, percebi que 80% dos meus sonhos já tinham sido realizados. Pasmem, com 26 anos. Nem eu, na forma mais otimista de viver, acreditava que seria tão rápido. E mesmo assim, não é realizar sonhos que me torna uma pessoa feliz e completa, é sonhar, é acreditar que o impossível é apenas um ponto de vista.

Nesse lance de acreditar, tem até a fé na humanidade, sim, de alguma forma todos vocês me cativam. Como sempre costumo dizer, ver a vida de maneira ruim e acreditar que ela é ruim é fácil, difícil mesmo é ver a vida ruim e lutar para que ela seja melhor. Conheço muita gente assim também, de certa forma isso faz com que eu me sinta um pouco mais humana, como quando nos sentimos em casa.

Minha lista de sonhos ainda tem muitas coisas, prêmios de renome internacional (Oscar por alguma história sempre foi o que anunciava como sendo uma das metas impossíveis a serem alcançadas), tem a casa que quero ter, tem o fusca conversível (que já chegou a quase andar por aí), tem a vontade de morar numa praia, de conhecer alguns lugares no mundo como a Itália por exemplo, tem o livro ser um best-seller, tem tanto ainda para acontecer.

Mas eles não param de acontecer, essa semana uma das empresas que SEMPRE disse que gostaria de trabalhar me chamou, fez uma proposta capaz de me fazer abandonar o plano de ir para o Rio de Janeiro e ficar em Curitiba.

Estou muito feliz com a novidade!

Se eu não puder ser feliz com as pequenas coisas, como poderei ser feliz com as grandes? É por isso que sempre comemoro cada conquista, que ressalvo a brilhante ferramenta que é sonhar, ela faz você querer mais, mas só pode ser usada por aqueles que sabem superar as frustrações. Caso contrário, nunca deixará de ser uma ilusão.

O que quero dizer com isso?

Acreditar que algo é impossível limita, deixar de sonhar porque algo não vai acontecer é como saborear uma torta sem comer o recheio, analogias a parte, a fé depositada é o que faz com que a vida tenha mais sentido agora. As realizações são o combustível que propiciam a sede de mais realizações. Portanto, que nunca acabem os sonhos, que nunca cessem os desafios, imaginar que pode ser melhor é o que faz ir além.

E a vida tem me mostrado isso, vale a pena ir mais além, sempre!




:)



Facebook