28/08/2012

O direito de não gostar...


Depois de alguns acontecimentos e reflexões esta análise é baseada em apenas um fator, o direito que cada ser humano tem de gostar de algo ou alguém.
É de conhecimento notório e vigoroso que o mundo é discernente. As seleções humanas são feitas por vários critérios, dentre eles as mais diversas e imaginadas ponderações para realizar algumas escolhas.
Escolhe-se por classe social, por gênero, por gosto musical, por afinidade, por cheiro, por pele, por sorriso e até mesmo por gratidão.
Mas com o advento da modernidade e do politicamente correto, essas escolhas muitas vezes são exageradamente confundidas com preconceito, racismo, homofobia e tudo o mais.
Hoje, se você declarar que gosta de héteros, por exemplo, será julgado por não respeitar o direito das pessoas que não tem o mesmo gosto que o seu, será taxado de preconceituoso e até mesmo de homofóbico.
Neste caso por exemplo, não está em julgamento os valores de cada um. Agora, simplesmente, por opressão pública, você além de não poder manifestar suas preferências, guardará todo esse sentimento dentro de você. A preocupação é onde tudo isso pode chegar.
Não deve ser ignorado o fato que a exclusão e discriminação social, racial, política, religiosa, sexual, por idade ou nacionalidade e todos aqueles que de alguma forma são considerados diferentes do todo, acontecem e acontecem muito por todo o mundo. Ouve-se a todo tempo que alguém não conseguiu um emprego porque era negro, porque tinha uma tatuagem ou porque não era bonito o suficiente para conseguir uma vaga. Queimam pessoas em praça pública, ou por ser mendigo ou por ser índio. Espancam um rapaz por ele gostar de namorar homens. Mata-se porque não tem-se as mesmas escolhas religiosas. Mas isso está acima de preconceito ou racismo, isso é violência contra o ser humano e não deve ser admitido, nem aceitável, jamais.
Ser preconceituoso ou racista não expressa o melhor do ser humano, é perigoso em termos sociais e maléfico na busca pela paz. Mas o ponto é que as pessoas tem o direito de não gostarem de algo, devendo sempre prevalecer o respeito pelo ser humano. Ter o entendimento que o não gostar de algo ou alguém não dá o direito de ferir, privar, humilhar, redimir, oprimir ou ofender a quem quer que seja.
Portanto, o respeito é a ferrementa que poderá garantir o convívio entre todos.
Respeito é o que eu gostaria de ver entre as pessoas, respeito pela vida, pela luta de um mundo mais justo, pelo espaço do indivíduo e principalmente pelo direito de cada um.



Facebook